quarta-feira, 29 de maio de 2013

"Congresso Internacional do Medo"



"Provisoriamente não cantaremos o amor,
que se refugiou mais abaixo dos subterrâneos.
Cantaremos o medo, que estereliza os abraços,
não cantaremos o ódio, porque este não existe,
existe apenas o medo, nosso pai e nosso companheiro (...)"
Carlos Drummond de Andrade

Ontem à noite, um amigo me disse: Você precisa parar de acreditar que só vai encontrar gente igual a quem te machucou no passado. 
Meu Deus! Percebi o quanto tenho tecido um discurso de proteção, baseado no medo...o que me remeteu ao poema de Drummond e agora que estou consciente disso, me faz refletir que é preciso seguir em frente abandonando aos poucos ainda esse medo que paraliza, inclusive o amor.