quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Oscilante.



Eu sei que por algum tempo vou seguir oscilante entre a razão e o desejo. Algumas decisões são tomadas  com o coração inquieto e o pensamento tomado por muitas coisas que aconteceram e que acontecem, tudo misturado. Sei também que o tempo vai ser meu amigo para essas coisas da vida. Sei também que é preciso seguir com aquilo que você conseguiu resolver para aquele momento. E da oscilação, talvez eu consiga um dia seguir com mais firmeza nas decisões que pertencem à esfera do afeto e por isso são muito complexas.

Agora, deixo com vocês Fernando Pessoa, do livro que meu pai me deu (A quintessência do desassossego):

"Eu não saberia nunca como ajeitar minha alma e levar o meu corpo a possuir o seu. Dentro de mim, mesmo ao pensar nisso tropeço em obstáculos que não vejo, enredo-me em teias que não sei o que são."

As estrelas ascendem a esperança.


Ontem à noite olhei para o céu.
Um estrela brilhava incrivelmente bela.
Fixei o olhar nela e lembrei-me do dom das estrelas.
Elas sempre renovam as minhas esperanças. 
E ao expandir o olhar por aquele céu haviam muitas delas.
Assim, muitas, mas muitas esperanças e sonhos foram renovados.

Deixo Mario Quintana para completar:
" A noite acendeu as estrelas porque tinha medo da própria escuridão."