terça-feira, 13 de abril de 2010

Saber viver- Cora Coralina

Boa noite! Em uma outra roupagem, mas seguindo a lógica da última postagem sobre as coisas que aprendemos pela vida, hoje vou postar um poema de Cora Coralina. Ele tem um significado especial para mim, pois eu o escolhi como a apresentação da minha dissertação de mestrado (sobre adolescentes que vivem com diabetes tipo 1). Após este período e refletindo sobre este poema decidi que o meu lugar era junto com as pessoas na comunidade, na rua, no consultório e não mais como docente de uma universidade. Usufruam do poema e depois sobre uma breve biografia da autora. Beijos!



















Não sei ... se a vida é curta
ou longa demais pra nós,
Mas sei que nada do que vivemos tem sentido,
se não tocamos o coração das pessoas.

Muitas vezes basta ser:
Colo que acolhe,
Braço que envolve,
Palavra que conforta,
Silêncio que respeita.

Alegria que contagia,
Lágrima que corre,
Olhar que acaricia,
Desejo que sacia,
Amor que promove.

E isso não é coisa de outro mundo,
é o que dá sentido à vida.
É o que faz com que ela
não seja curta,
nem longa demais
Mas que seja intensa
Verdadeira, pura ...
Enquanto durar.



Cora Coralinapseudônimo de Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas, (Cidade de Goiás20 de agosto de 1889 — Goiânia10 de abril de 1985) foi uma poetisa e contistabrasileira.
Mulher simples, doceira de profissão, tendo vivido longe dos grandes centros urbanos, alheia a modismos literários, produziu uma obra poética rica em motivos do cotidiano do interior brasileiro, em particular dos becos e ruas históricas de Goiás.